19ª Tiragem – Secreções, Excreções e Desatinos, um livro de Rubem Fonseca

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

Podcasters:  Will Mesquita, do Papaya Orange o host do episódio, Mateus Ferreira e Rubens Netto do boletim do paddock.

Escreva para nós: contato@edicaorapida.com.br 

Nossas Redes Sociais: Twitter | Facebook | Skoob | YouTube

Esse podcast foi editado por Monkey Seat Podcast & Multimídia

Quais livros você amigo ouvinte/leitor indicaria aos podcasters? Quem sabe não usamos a sua dica nas próximas tiragens!

 

 LIVRO DO DIA: Secreções, Excreções e Desatinos, um livro de Rubem Fonseca

Por quê escolhemos este livro?

Ouçam!!!

Qual livro que cada um de nós tem/leu?

👅Will: Editora: Companhia das Letras, 2001. 141 páginas;

👂Mateus: Versão e-Book da Editora: Agir, 2010, 180 páginas;

👄Rubens: Versão e-Book da Editora: Agir, 2010, 180 páginas;

 

Qual a expectativa antes de ler o livro?

BREVE BIOGRAFIA DO AUTOR:

Nascido em 11 de maio de 1925, Mineiro de Juiz de Fora, porém Carioca desde os 8 anos de idade, José Rubem Fonseca, foi um leitor precoce porém atípico, antes de fazer sucesso na literatura, o autor foi policial, no final de 1952 em São Cristóvão, as experiências ali vividas foram contadas nas obras do autor. Formado em Direito na atual Universidade Federal do Rio de Janeiro, virou professor da Fundação Getúlio Vargas e, por fim, executivo da Light do Rio de Janeiro.

O escritor só foi publicamente exposto, no início dos anos 1960, quando as revistas O Cruzeiro e Senhor publicaram dois contos de sua autoria.

Rubem Fonseca é conhecido pela atuação como roteirista e escritor. Foi casado com Théa Maud, com quem teve três filhos. José Henrique Fonseca, filho do escritor, é cineasta e roteirista, que inclusive, utilizou o famoso personagem do pai, “Mandrake”, para produzir uma série de televisão.

Já era considerado o maior contista brasileiro quando, em 1973, publicou seu primeiro romance, O Caso Morel, um dos mais vendidos daquele ano, depois traduzido para o francês e acolhido com entusiasmo pela crítica europeia. Sua carreira internacional estava apenas começando.

Mesmo tendo apoiado o golpe de 64, teve um dos seus grandes sucesso, o livro “Feliz Ano Novo”, censurado pelo regime militar em 1975.

Em 2003, ganhou o Prêmio Juan Rulfo e o Prêmio Camões, o mais importante da língua portuguesa, e o prêmio Jabuti em 1970, 1984, 1993, 1996 e 2003. Com várias de suas histórias adaptadas ao cinema, ao teatro e à televisão, Rubem Fonseca já publicou 12 coletâneas de contos e 11 romances, sendo o último deles O Seminarista (Agir, 2009).

 

 

TOMO UM: SEM SPOILERS

Escritos durante uma das fases mais criativas do autor, os contos de Secreções, Excreções e Desatinos tratam de aspectos biológicos e anatômicos do homem, devolvendo-o, em certa medida, a sua constituição animal. Conciso, muitas vezes brutal nos 14 contos deste livro Rubem Fonseca demonstra que a principal força de sua literatura é nunca se acomodar.

 

TOMO DOIS – SPOILERS FREE

(Soilers Free? Sem Spoilers??? Confere, produção?) – By Mateus

| COPROMANCIA – Rubens;

| COINCIDÊNCIAS

| AGORA VOCÊ (OU JOSÉ E SEUS IRMÃOS)

| A NATUREZA, EM OPOSIÇÃO À GRAÇA

| O ESTUPRADOR

| BELOS DENTES E BOM CORAÇÃO

| BEIJINHOS NO ROSTO – Will;

| AROMA CACTÁCEO – Will;

| MULHERES E HOMENS APAIXONADOS – Rubens;

| A ENTREGA

| MECANISMOS DE DEFESA

| ENCONTROS E DESENCONTROS

| O CORCUNDA E A VÊNUS DE BOTTICELLI – Mateus;

| VIDA – Mateus;

[1]: As sinopses usadas nestes post foram extraídas dos sites das respectivas livrarias dos quais os podcasters compraram os livros ou os indicaram para compra.

Contracapa:

Esse podcast foi editado por Monkey Seat Podcast & Multimídia

Feed do Edição Rápida: feeds.feedburner.com do EdicaoRapida

Rubens Gomes Passos Netto

Netto, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos treteiros que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros, mais do que até ler estes que já adormecem em suas estantes, ler os livros é algo em que ele acredita não ser necessário depois que os compra, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto, pejorativo, o que julgava ser maravilhoso, apaixonado por Fórmula 1 e por teorias que não levam a humanidade a lugar algum, salvo se for ao La Chollita.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: