11ª Tiragem – As Crônicas Marcianas, um livro de Ray Bradbury

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- Filament.io 0 Flares ×

capa cronicas marciana

EDIÇÃO RÁPIDA – 11ª TIRAGEM – As Crônicas Marcianas (by Ray Bradbury)

Podcasters:  Valesi o host do episódio, Mateus Ferreira, Rubens Netto do Boletim do Paddock e Will Mesquita do Papaya Orange.

Escreva para nós: contato@edicaorapida.com.br 

Nossas Redes Sociais: Twitter Facebook Skoob YouTube

 

Taça_Tribruxo_001Troféu Prefácio:

O nosso Troféu Prefácio vai para Aline Rodrigues.

 

As-crônicas-marcianas1

 

LIVROS DOS DIA: As Crônicas Marcianas (by Ray Bradbury)

 

Por quê escolhemos este livro?

Ouçam!!!!

 Quais livros que cada um de nós escolheu?

  • Will: As Crônicas Marcianas, Editora Biblioteca Azul. Clássica capa com o planeta vermelho, um foguete e a mão de um marciano, tudo estilizado e  em cores sólidas sobre um fundo preto. Linda capa;
  • Valesi: 02ª Edição da Editora Biblioteca Azul, capa igual à do Will;
  • Rubens: 01ª edição ou 02ª edição, de 2013 a Editora Biblioteca Azul, capa igual à do Will e do Valesi;
  • Mateus: Igual ao do Will, Valesi e Rubens!!!

 

Qual a expectativa antes de ler o livro?

Ouçam!!

 

Obit-Ray-Bradbury

 

 BREVE BIOGRAFIA DO AUTOR:

 

Ray Bradbury nasceu em 22 de agosto de 1920 na cidade de Waukegan, no estado de Illinois, nos EUA. Seus pais eram Leonard Spaulding Bradbury, americano de ascendência britânica, e Esther Moberg-Bradbury, nascida na Suécia e que imigrou para os Estados Unidos após a Primeira Guerra Mundial, no final dos anos 1910. Seu pai trabalhava com técnicas de instalação telefônica, enquanto sua mãe era dona-de-casa.

Ao todo, seus pais tiveram seis filhos, sendo Ray o mais velho deles. Entre 1920 e 1926, a família permaneceu morando em Waukegan, até se mudaram para a cidade de Tucson, no Arizona, no oeste dos Estados Unidos, onde os Bradburys viveram até 1933. A partir de 1934, Ray e sua família se mudaram definitivamente para Los Angeles, no estado vizinho da Califórnia, onde o escritor viveria praticamente até o fim de sua vida. Ainda em Los Angeles, Ray Bradbury conheceu Marguerite McClure (1922-2003), com quem casou-se em 1947, aos 27 anos. Juntos, Ray e Marguerite tiveram quatro filhas, nascidas entre 1948 e 1962.

Os primeiros rascunhos e manuscritos de contos e estórias desenvolvidas pelo autor datam de 1931, quando este tinha cerca de onze anos de idade. Leitor voraz desde cedo, Bradbury sempre creditou nomes como Edgar Allan Poe, Edgar Rice Burroughs e Júlio Verne como suas primordiais influências.

 

 cronicas-marcianas-ray-bradbury

 

Sinopse

 

The Martian Chronicles (no Brasil, Crônicas Marcianas) é um livro de contos de ficção científica (publicado originalmente em 1950, de autoria do escritor estadunidense Ray Bradbury, seu tema (recorrente) é a colonização de Marte por humanos com problemas e eventualmente vindos de uma Terra sob a iminência de ser devastada pela Guerra Atômica. Há também conflitos entre aborígenes marcianos com os novos colonizadores.

O estilo do livro varia de contos a novela episódica, com histórias de Bradbury originariamente publicadas nos anos de 1940 em revistas de ficção científica. Bradbury já confirmou que foi influenciado por Sherwood Anderson e As Vinhas da Ira (John Steinbeck) na estruturação do livro. A obra usa uma história para ligar várias outras entrelaçadas.

 martian-2

 

TOMO UM: SEM SPOILERS

 

Contos principais:

  • O verão do foguete;
  • Ylla (1ª expedição, ciúmes);
  • Os homens da Terra (2ª expedição, hospício);
  • A terceira expedição (céu?);
  • …E a Lua continua brilhando (quarta expedição, Jeff Spender, “o marciano”, e o Capitão Wilder);
  • Encontro Noturno (realidades paralelas);
  • Flutuando no Espaço (racismo);
  • Usher II (Edgar Allan Poe e censura);
  • O marciano (saudades, eco da 3ª expedição);
  • A loja de malas e Os observadores (comédia);
  • A baixa estação (a volta de Sam Parkhill, da quarta expedição, e a ironia);
  • As cidades silenciosas (solidão e machismo politicamente incorreto);
  • Os longos anos (solidão e ficção científica);
  • Chuvas leves virão (futurologia, automatização);
  • O piquenique de um milhão de anos (recomeço e esperança);

 

spoiler-alerta

 

TOMO 2 – SPOILERS FREE

 

Não daremos spoilers aqui, ouça o nosso podcast e leia o livro ou leia o livro e ouça o nosso podcast.

Ray Bradbury, aprova:

 

20ventura600

 

KBNzqD

 

Adaptações

Rádio: 

‘The Martian Chronicles’ foi adaptada para o rádio na série de ficção científica Dimension X. A versão truncada possui elementos dos contos “Rocket Summer”, “Ylla”, “- and the Moon be Still as Bright”, “The Settlers”, “The Locusts”, “The Shore”, “The Off Season”, “There Will Come Soft Rains” e “The Million-Year Picnic”.

“- and the Moon be Still as Bright” e “There Will Come Soft Rains” também foram adaptadas em episódios separados da mesma série. A curta história “Mars Is Heaven” e “Dwellers in Silence” também figuraram em episódios de Dimension X.


Mini-série de Televisão:

Em 1979 a NBC encomendou três episódios para uma minissérie, a serem produzidos em parceria com a BBC, cuja duração total seria de quatro horas. A adaptação foi escrita por Richard Matheson e houve a direção de Michael Anderson. A série foi estrelada por Rock Hudson como “Wilder”, com Darren McGavin como “Parkhill”, Bernadette Peters como ‘Genevieve Selsor’, Bernie Casey como “Jeff Spender”, Roddy McDowall como o “Pai da Pedra”, Barry Morse como “Hathaway” e Fritz Weaver. Bradbury achou a série “bem chata”.

Historia em quadrinhos:

Adaptação oficial por Dennis Calero com introdução do próprio Ray Bradbury. Graphic novel lançada pela editora Hill and Wang em 19 de julho de 2011. No Brasil foi lançada pela Globolivros.

[1]: As sinopses usadas nestes post foram extraídas dos sites das respectivas livrarias dos quais os podcasters compraram os livros ou os indicaram para compra.

Músicas do episódio (Creative Commons – Jamendo)

  • The Dust Bowl – Diamond Eyes
  • Pierre Wohl – Rock Instrumental
  • Cabaret Sauvage – Cabaret Sauvage
  • Starfish Stories – Free Rock Instrumental
  • Rendezvous Park – Down part II
  • Jason Pfaff – Movin Blues
  • Guy Berrier – Doubleface
  • Jim Guittard – Blues Instrumental
  • Convey – Colorblind

Feed do Edição Rápida: feeds.feedburner.com/EdicaoRapida

Marvin_the_Martian_(WB_Animation)

Rubens Gomes Passos Netto

Netto, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos treteiros que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros, mais do que até ler estes que já adormecem em suas estantes, ler os livros é algo em que ele acredita não ser necessário depois que os compra, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto, pejorativo, o que julgava ser maravilhoso, apaixonado por Fórmula 1 e por teorias que não levam a humanidade a lugar algum, salvo se for ao La Chollita.

3 comentários em “11ª Tiragem – As Crônicas Marcianas, um livro de Ray Bradbury

  • 29 de fevereiro de 2016 em 16:30
    Permalink

    Antes de ser “troloda”…. Acredito que já tenha dito que não sou fã de crônicas… mas imagino como seria uma crônica marciana… neste caso resolvi ler algumas partes do livro e não escrever bobagens… este livro concordando com Wili.. meio que parece ser a colonização americana, principalmente pq há nos primeiros anos os conflitos e em sequência a exploração das cidades marcianas… e por fim somente historias do que eles já foram o desejo de retornar a serem o que eram antes… com se o autor quisesse dizer que pode se passar anos, séculos mas a forma de o ser humano ver o mundo jamais irá mudar… não sei se viram dessa forma mas assim que eu o compreendi…

  • 31 de julho de 2016 em 16:00
    Permalink

    Um pouquinho atrasada, né? Ainda estou ouvindo. Sobre essa questão da data das histórias, se não me engano em Blade Runner os detentores dos direitos da história autorizaram uma atualização da data em que a história se passa, jogando pra frente. Acho que é uma idéia válida 🙂

  • 1 de agosto de 2016 em 12:32
    Permalink

    O segundo comentário não entrou :-/ Eu ia dizer que o pod me convenceu a furar fila de leitura e ler as Crônicas. Já está furada 🙂

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: